quarta-feira, 1 de junho de 2011

Tudo ao mesmo tempo agora

Uma coisa de cada vez

- A troca do carro
Depois do ocorrido no teto do carro (que foi rasgado por um fdp, dentro do prédio onde morávamos, pra roubar um GPS que nem era grandes coisas), descobrimos que a apólice tinha sido feito errada (pra nossa sorte) porque a franquia de um carro conversível é bem mais cara.
Então se acontecesse outro incidente e precisássemos acionar o seguro, a franquia seria de 3 mil dólares...

Junte-se a isso o fato de o carro ter um porta malas tão pequeno que até pra fazer compra no supermercado era complicado.
Foi então que o Guilherme decidiu colocar o carro pra vender. Depois ele cogitou trocar.
E aí um tiozinho de uma cidade chamada New Plymouth entrou em contato.
Alguns e-mails depois, resolveram se encontrar em Wanganui (aquela cidade que visitamos quando o Bruno estava aqui), que fica mais ou menos na metade do caminho entre New Plymouth e Wellington.
Dia 7 de maio fomos lá  trocar o carro.
Guilherme diz que o carro é "feio pra c$#@%&", mas eu não acho.
E é suuuuuper confortável. E está novíssimo (apesar de ser 2001).
A única foto que eu tenho e dá pra ver o carro quase todo é essa:

A paisagem ajuda, né?

- A venda da scooter
Trocado o carro, o Guilherme teve um surto de necessidade de moto.
Ele diz que o carro é meu, então não precisaria mais da scooter.
Com o inverno batendo à nossa porta, não discuti.
Aí ele resolveu vender a scooter e comprar uma moto de homem.
Dia 14 de maio ela foi vendida.

A gente se divertimos, né não?

- A adoção do Bansky
No mesmo dia que a scooter foi vendida, o Banksy, nosso foster filho nº 2, foi adotado.
O SPCA promoveu um evento de adoção em Khandallah, um bairro daqui, e nós o levamos.
Estavam lá mais ou menos uns 15 filhotes e o Banksy era um dos mais novos e dos mais lindos também.
:D
Apesar da timidez (enquanto estávamos lá, ele passou a maior parte do tempo dentro da caixa de areia da gaiola com cara de medo), conseguiu a tão sonhada forever home, como eles dizem aqui.
E nós ficamos felizes e tristes ao mesmo tempo.
O plano era procurar outro foster gato logo na segunda-feira, mas o Guilherme pediu pra esperar até a semana seguinte porque ele estava olhando motos pra comprar, o que nos leva ao próximo tópico:

Lindo e gorducho

- A compra da moto
Muitos dias de buscas intensas e e-mails, até que o Guilherme achou uma moto... em Wanganui!
E lá fomos nós mais uma vez, dia 21 de maio.
Apesar de estar a 188km daqui, é uma longa viagem.
Sim, os km daqui têm a mesma medida que os daí.
O que muda é que TODO MUNDO obedece o limite de velocidade.
Incrível como aqui todo mundo é super educado nesse aspecto (aliás, não só nesse aspecto).
Não tem aquele monte de imbecil andando a 200km/h e fazendo ultrapassagens onde não se deve.
A velocidade permitida é 100km/h, mas quando estamos em perímetro urbano, cai pra 50km, então a viagem não rende.
Já que não tinha nada que nos fizesse ter que voltar no mesmo dia, alugamos uma casa pra passar a noite e voltar no domingo.
E o Guilherme matou a vontade acumulada de 9 meses e comprou uma moto.

E o marido é só alegria

A casa que alugamos fica numa praia chamada Kai Iwi, que eu imagino que seja a única praia bonita de Wanganui.
Quando estivemos lá em janeiro, o clima estava péssimo, ventando muito e chovendo... e foi no dia seguinte à nossa tentativa (frustrada) de subir no vulcão, então eu estava absolutamente morta e, quando paramos nessa praia, logo antes de pegar a estrada de volta, nem fiz questão de descer do carro.
Dessa vez o dia estava lindo, com mto sol, e isso fez uma ultra mega diferença.
Nessa praia tem um povoado chamado Mowhanau (piada pronta), e a casa fica em cima das falésias, num lugar lindíssimo, com uma vista maravilhosa.

Foto de uma foto, mostrando onde fica a casa

Vista da janela da sala
Uma moto e uma churrasqueira... precisa de mais alguma coisa?
A casa tinha 3 níveis. Lá em cima, nosso quarto
que tinha esse jardim do lado
e essa janela com essa visão terrível :D
"Aproveite a praia mas cuidado com as falésias. As falésias nas praias de Kai Iwi e outras de Taranaki do Sul estão constantemente erodindo e as quedas ocorrem sem aviso. Se você valoriza sua vida, esteja avisado para manter distância"
A areia é preta, super fina e brilha
Fim do dia, lareira pra esquentar

- A 3ª foster gata
Na segunda-feira posterior à viagem, passei no SPCA e perguntei se eles teriam algum gato pra eu trazer pra casa.
Eles sempre têm...
10 minutos depois saí de lá na maior felicidade com uma gatinha linda, chamada Brixton.
Ela tem mais ou menos 2 meses e meio de idade e está aguardando pra ser castrada (se tudo correr bem, sexta-feira agora).
Ao contrário do Banksy, ela parece já ter tido MUITO contato com pessoas porque simplesmente adora um colo e passaria o dia todo dormindo em cima de mim, se fosse possível.
E ela tem um estoque inesgotável de ronrons...

Gatos e sacolas... uma atração irresistível
Gato cachecol: perfeito pros dias frios
Pronta pra dar uma volta de moto
De cachecol

- O inverno
É hoje (1º de junho) o início extra-oficial do inverno por essas bandas.
As temperaturas falam por si só.
As máximas têm estado por volta de 14º, e as mínimas, de 8º.
Pelo menos não tem chovido, então nem temos do que reclamar.
Sei que vai ser lindo não estar aqui no auge do inverno, afinal de contas faltam 26 dias pra gente desembarcar aí!
Estamos contando os dias!

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Faltam 2 meses!

Pois é, faltam 2 meses pra chegarmos no Brasil.
Estou contando os dias!!!
Preciso começar a fazer a lista de todas as coisas que quero fazer/comer.
Muito mais comer que fazer..

Enquanto isso, tenho curtido uma prévia do inverno Wellingtoniano.
"Curtido" porque na maioria das vezes posso ficar em casa com meu moletom e pantufas... e com o aquecedor do lado.
Os dias já estão assustadoramente mais curtos e as temperaturas, horrivelmente mais baixas.
Aliás, essa questão dos dias curtos é bem interessante.

Lá pra dezembro e janeiro costumava anoitecer muito mais tarde. No auge dos dias longos estava escurecendo perto de 10 da noite (e isso acabava com meu sono).
Eu brincava com o Guilherme dizendo que eram 9 horas da tarde...
Com o fim do verão, isso foi mudando bastante rápido.
Hoje em dia às 18h já é noite. Especialmente quando está chovendo.
E aqui, ao contrário do fictício inverno do cerrado, a chuva é uma constante em junho/julho/agosto, e isso (pelo que eu já vi) piora consideravelmente o frio.
Dia desses aqui fez 6ºC com vento, o que dava uma sensação térmica de 1ºC.
Ou seja, era 1ºC, porque o que eu sinto é muito mais importante do que o que o termômetro diz.
:P

Enfim, vai ser ótimo perder o 1 mês do auge do inverno.

O Banksy ainda está por aqui!
O plano era ficar 1 semana, mas ele ficou meio doentinho (mas já está bem) e no fim das contas vai ficar aqui quase 1 mês! Sexta da semana que vem a cirurgia de castração está marcada.
E ele está lindo demais! Melhorou 200% da timidez e já virou o dono da casa.
Eu até queria colocar uns videos dele brincando, mas isso certamente acabaria com o espaço a que tenho direito.
Então fotos do que ele mais faz na vida: dormir.

Patinha de travesseiro
Leãozinho
Isso foi ontem, que tava bem frio. Fiz uma cama do lado do aquecedor e ele não saiu mais de lá
E uma dele brincando... com uma ERVILHA hehehe

Fora a diversão garantida com o Banksy, semana passada também tivemos show da Fernanda Takai aqui em Wellington.
E foram DOIS shows.
O de sábado foi no Matterhorn, um restaurante/pub, e o de domingo foi no Te Papa, o principal museu da cidade.
Ambos com entrada franca e estavam lotados.
Públicos diferentes, claro (no Te Papa tinha um moooonte de gente bem mais velha, o que achei muito curioso), e brasileiros por todos os lados.
E os shows foram muito bons.
Claro que eu preferiria se fosse show do Pato Fu, mas longe de mim querer reclamar né?
:D

As fotos foram poucas.
No Matterhorn estava muito escuro e lotado. Pra conseguir tirar uma foto decente eu ia precisar chegar bem na frente do palco.
Já no Te Papa... bem... a gente não ia ao show.
Fomos à feira comer churros, e como é do lado, resolvemos ir de última hora.
Por causa disso, não levamos a câmera boa, e as fotos foram tiradas do iphone do Guilherme.
Uma pena, porque o palco era lindíssimo (a Fernanda Takai até disse que era o palco mais bonito que eles já tinham tocado e que queria levar com eles pro resto da turnê).

Matterhorn lotado
John e Fernanda
No Te Papa: repare na quantidade de cabecinhas brancas na platéia

E foi assim nosso feriado de páscoa.
Espero que todos tenham comido muitos Alpinos por mim porque eu comi muitos ovos recheados com marshmallow por vocês!
:D

quarta-feira, 13 de abril de 2011

O alento

Na terça-feira ainda, depois de todas as más notícias e do (meu) chororô, numa hora em que eu passava pela recepção do SPCA, a responsável pelo 'fostering' me perguntou se eu ainda estava disposta a ter um gato em casa.
Eu disse que sim, claro, mas pedi que me dessem um gatinho saudável dessa vez. Se não saudável, que pelo menos não estivessem cogitando sacrificá-lo em algum momento num futuro próximo.

Ela me deu toda razão e disse que tinha um filhote que precisava de uma casa pra ficar por 1 semana.
Ele seria castrado naquele dia, mas por algum motivo não foi, e só teriam vaga pra cirurgia semana que vem. Além do mais o gatinho é meio tímido e precisa de atenção e muuuuuito colo e carinho pra ver se 'amansa' um pouco.
Bem a minha cara...
:D

Ainda na terça à tarde fui lá buscá-lo.
O nome dele é Banksy (em homenagem a um artista de rua britânico famoso) e tem por volta de 2 meses.
Realmente é um gatinho tímido e assustado.
No começo ele se meteu debaixo do sofá e só parou de ir pra lá quando tiramos os pés do sofá (hehehe).
Agora ele fica sempre no cantinho entre a janela, o sofá e a parede, mas já está bem mais à vontade.
É muuuuuuuito pequeno e gordinho... coisa mais fofa.
E por ser muito novinho, ainda tem os olhos azuis mais lindos, com umas partes já mudando pra verde perto da pupila.
E me lembra o Renato, um gato lindo, gordo, peludo e manso que eu tive na época em que perdemos as contas de quantos gatos existiam lá em casa.

Olha que coisa mais linda!
Isso aí cura qualquer tristeza...

No cantinho
Carinha de assustado
Meio desconfiado no colo
E ele adora ficar nesse braço do sofá enquanto ganha um carinho
Fazendo charme
Os olhos azuis
Bocejando, mas parece até que é bravo!
"É comigo?"
Ocorreu um erro neste gadget